Duração da sessão
00h00m
0
Missão 1
10€
10€
Missão 2
15€
15€
Missão 3
25€
25€
Missão 4
50€
50€
Missão {{ i + 1 }}
{{ mission.label }}
{{ mission.label }}
{{ mission.label }}

Para começar o desafio "Quem sabe, ganha 100", registe-se. Se já está registado, entre na sua conta.

{{playerInfo.messages[0].message.value}}

Tem {{ playerInfo.days_left }} dia(s) para completar as missões.
Duração da sessão
00h00m
page__skip_to_main_content
O ‘forcing’ final em busca do sonho

Blog

O ‘forcing’ final em busca do sonho

Já estamos nos quartos-de-final do Mundial. Só oito equipas estão ainda na corrida pelo título mundial, o que perfaz 12,5% de probabilidades para cada uma. Nada mau tendo em conta que matematicamente a prova começou com escassos 3,12% para cada um dos 32 participantes na competição. Nesta fase, contudo, há equipas que parecem mais capazes de atingir o sonho do que outras. Porém, sendo certo que a maior valia de uns pode ajudar a fazer a diferença, importa realçar que agora já não há margem de erro. Basta um dia mau, um lance infeliz e a surpresa pode acontecer. Assim, talvez seja hora de deixar para segundo plano a aposta mais tradicional (1x2) e procurar mercados alternativos, onde as lógicas das equipas encaixem mais facilmente. Foi à procura disso que andámos. Veja o resultado:  

URUGUAI-FRANÇA:

Tendo em conta o que as duas equipas já fizeram na Rússia, este parece ser um embate com grandes probabilidades de ser espectacular, embora a esperada ausência de Cavani – devido a problemas físicos – possa deixar os sul-americanos em situação de inferioridade. Ainda assim, mesmo que não venha a poder contar com um dos seus goleadores (o carrasco de Portugal nos ‘oitavos’…), o Uruguai será sempre uma equipa complicada de transpor. Essencialmente porque para além de contar com jogadores de elevada eficácia na frente de ataque, também se sabe que na defesa apresenta uma das melhores duplas de centrais da actualidade (Godín e Gímenez). Quer isto dizer que, se tudo decorrer dentro da normalidade, a França terá mais posse de bola, a iniciativa do jogo, mas terá de trabalhar muito para ‘furar’ a muralha defensiva uruguaia, não esquecendo que a transição defesa-ataque do opositor pode ser letal. Acreditar num jogo com oportunidades para os dois lados parece ser uma boa ideia, razão pela qual talvez seja de olhar com atenção para o pouco conhecido mercado dos remates à baliza. Mais de 7,5 é uma aposta muito atractiva (Odd 1.64). E se houver um golo na primeira parte é bastante provável que seja cumprida, pois nos jogos a eliminar as equipas que estão em desvantagem acabam por forçar a nota nos derradeiros minutos, dando espaço para o contra-ataque contrário.

BRASIL-BÉLGICA:

Mais uma partida interessante e onde existindo algum favoritismo para um dos lados (Brasil) não se pode menosprezar o potencial do opositor, pois a Bélgica possui uma equipa deveras interessante, reúne um conjunto de jogadores de elevada qualidade e – mais importante – soma por vitórias os quatro jogos que já realizou na competição. Nos ‘oitavos’, é verdade, os belgas apanharam um valente susto e chegaram a estar a perder por 2-0 diante do Japão. Mas, mais uma vez, a equipa revelou força e qualidade para dar a volta. E fê-lo sem sequer precisar de chegar ao prolongamento. Vão estar frente a frente as duas formações com mais remates na prova (à média de 19,25 por jogo), mas também aquelas que mais cantos (8,5 de médias para os brasileiros e 6,5 para os belgas) conquistam. Tais dados demonstram que são duas equipas de cariz ofensivo, que jogam sistematicamente em busca do golo. Podendo haver um pouco mais de contenção por se tratar de um jogo decisivo e que vale a presença nas meias-finais do Mundial, parece muito aceitável aceitar os +8,5 de remates à baliza (Odd 1.42) e os +10 cantos (Odd 1.64).

SUÉCIA-INGLATERRA:

Jogo em que os britânicos são apontados como claros favoritos. Apesar de se apresentarem no Campeonato do Mundo com uma equipa jovem, a verdade é que os ingleses têm estado num plano bastante aceitável, tendo até já ultrapassado um dos seus grandes traumas (os desempates por penáltis, tradicionalmente fatais para as suas pretensões nas grandes provas). Tendo pela frente um adversário que, nesta fase, não é dos teoricamente mais complicados, os ingleses tudo farão para dar mais um passo em frente. Mas, se a vitória da equipa de Southgate parece ser o mais provável, quase impossível é que não sejam os britânicos a beneficiar de mais cantos. Para além de se esperar que tenham mais tempo a bola em seu poder, convém ter presente que a Inglaterra aposta sempre muito nos cruzamentos para a área e carrega nas acções de “1x1” dos seus extremos. Assim, para quem pretender uma aposta mais conservadora, o maior número de cantos favorável à Inglaterra é a escolha óbvia (Odd 1.32).

RÚSSIA-CROÁCIA:

A equipa da casa, apesar de ter feito uma péssima preparação e de ostentar o pior ‘ranking’ entre as 32 participantes na prova, tem sido uma agradável surpresa. E já está numa fase que nem os próprios adeptos consideravam possível. Agora, naturalmente, já não tem pressão e pode arriscar. A confiança está em alta – mais ainda depois de deixar a Espanha pelo caminho – e por isso pode tornar-se um adversário complicado, embora seja opinião praticamente unânime que a Croácia tem outro nível futebolístico. Face ao esperado atrevimento russo ganham maior relevo os mercados dos golos, pois esta é uma equipa que, apesar de marcar, também costuma sofrer, muito por culpa do seu sofrível sector recuado. Assim, acreditamos que ambas as equipas vão marcar (Odd 2.15), que haverá um golo na primeira parte e que o jogo terá um mínimo de três remates no alvo.

A TER EM CONTA:

Já foram assinalados 28 penáltis no Mundial, um recorde para o qual muito tem contribuído o VAR. Acrescentando que já se disputaram 56 jogos, tal significa que a cada dois jogos há um penálti. Se a média prevalecer… teremos castigos máximos em dois jogos dos quartos-de-final.

DICA:

O número de golos nas segundas partes (92) continua bastante superior em relação ao verificado nas primeiras (54). E convém ter presente que nos derradeiros 10 minutos já se registaram 31 golos (21,23%). Assim – e tendo em conta que estamos numa fase a eliminar, onde quem está a perder é obrigado a arriscar tudo nos derradeiros instantes – esta é uma tendência com fortes probabilidades de se manter nos jogos que aí vêm…

Luís V.

Nota: Odds sujeitas a variação. Consulte o valor actual das Odds em nossaaposta.pt